sexta-feira, 20 de abril de 2012

Ela, a bailarina.


Ela, a bailarina. Era ela a primeira bailarina de sua vida. Mas ela desejava mais. Ela queria saber afastar toda a névoa de encanto e deslumbramento que encobre este falso degrau, que se repete e se repete, e só sabe se repetir e fazê-la tropeçar. Este encantamento que a impede de entender o que realmente está por trás de todos os calos, todas as quedas e todos os desapontamentos. Queria poder conseguir deixar o amor um pouco de lado. Queria saber se controlar, queria conseguir se superar sempre que quisesse, só pela força de vontade. Queria que dedicação, garra e paixão fossem o suficiente. Queria que fossem flores os dias que se seguem e que gira, gira e gira, tentando não cair. Queria perceber mais facilmente que em cada tentativa fracassada está um passo mais perto de conseguir. Queria que o cetim das suas sapatilhas fosse sempre rosa-algodão-doce, que os rasgos da meia-calça não existissem, que as manchas que sujam estas sapatilhas, adquiridas no linóleo, desaparecessem. Mas rasgos, manchas, são o esforço disfarçado. Queria apenas um lugar para morar, uma sala para dançar e uma música para se libertar. E mesmo que não quisesse, às vezes, a força da gravidade também a atingia. Mas isso não importa, pois flutuava sentada, deitada, sangrando, cansada. Onde quer que estivesse, como estivesse, flutuava.

Texto meu, pra passar o tempo =) Espero que gostem rs 


4 comentários:

  1. Sim, uma menina muito fora da casinha! Mais da metade dos textos dela são meus, tem texto teu, e da Carol do meia ponta também....
    Tive um papo sério com ela de que plágio é crime, e que ela deveria ter colocado créditos e tudo mais, mas ela disse que vai desativar o blog, então beleza!

    Estou feliz com a sua volta...

    Beijinhos, Geisa.

    ResponderExcluir